domingo, 29 de agosto de 2010

A língua e os dentes

O abade de um mosteiro estava à beira da morte. Um dos seus monges, que lhe tinha grande devoção, sentado à beira do seu leito, questionava o mestre:
- Não teria o senhor algum segredo de santidade e vida para me ensinar?
O abade, com dificuldade e sinceridade, abriu a boca e ordenou ao jovem monge que olhasse lá para dentro.
O monge achou que o abade estava a delirar. “Coitado, pensou, deve estar surdo ou já não compreende o sentido das palavras.”
Então, repetiu, falando alto o bem próximo do ouvido mestre:
- Eu perguntei-lhe se não tinha nenhum segredo de santidade e vida para me ensinar.
- Então, filho – respondeu o agonizante -, estou a pedir-te que olhes para dentro da minha boca
- e abriu a boca para o pobre monge.
- O que estás a ver dentro, meu filho?
- Não vejo nada, mestre!
- Tens a certeza, meu filho? Olha com mais atenção. Não estás a ver a minha língua?
- Ah, sim, vejo a sua língua...
- E que mais?
- Não vejo mais nada.
- Tens a certeza? E os meus dentes, consegues vê-los?
“Coitado!, pensou o monge está mesmo a delirar.”
- Mestre, há muitos anos que o senhor já não tem dentes...
- Então, filho, presta atenção a este ensinamento: a língua é feita de carne e músculos, aliás, músculos muito frágeis.
Os dentes são estruturas mineralizadas, muito fortes, mas que se acabam e caem primeiro, porque são duros. A língua é mole e flexível. Ela aprende a adaptar-se... mas é firme naquilo de que precisa. Assim também, meu filho, a pessoa que tem o coração duro, diante dos problemas da vida, é a primeira a cair.
Aprende a ser flexível diante de Deus. Ele quer dar-te um coração de carne, e não um coração de pedra, mineralizado como os dentes...

Padre Léo, scj in Vida Consagrada

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Os Caminhos da Palavra

"Caminho da Palavra foi Jesus:


caminho para a vida diferente,

a vida que à verdade nos conduz,

verdade que liberta totalmente.


Caminho da Palavra foi Maria

que ouviu e acreditou no coração.

Na escola do silêncio aprendia;

nos passos de Jesus era lição.


Caminho da Palavra foi a história

daquele povo eleito e peregrino:

no povo Deus mostrou a sua glória,

em Deus o povo viu o seu caminho.


Caminho da Palavra é o sofrimento,

as lágrimas, a guerra, a crueldade.

À noite é mais bonito o firmamento,

e Deus fala também na tempestade.


Caminho da Palavra é a beleza

que canta a terra, o mar, o céu, a flor.

Pintores que dão cor à natureza

pincel e imagem são de Outro pintor.


Caminho da Palavra é este poema,

o livro e o correio electrónico,

o palco, a imprensa, o disco e o cinema

do mundo imaginário e tecnológico.


Caminho da palavra é a sinfonia

a dança, o rock, o ritmo do tambor.

Olhar, sentir do mundo a poesia

é celebrar da arte o Criador.


Caminho da Palavra são as gentes,

as línguas e nações da terra inteira;

palavras por caminhos diferentes

que levam à Palavra verdadeira".


Manuel Rito Dias In Revista Bíblica

Filipenses 2, 6-11

Neste momento, como cristãos e membros activos da Igreja, interiorizemos este cântico:




"Cristo Jesus, que era de condição divina

não Se valeu da sua igualdade com Deus,

mas aniquilou-se a Si próprio.

Assumindo a condição de servo,

tornou-Se semelhante aos homens.

Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,

obedecendo até à morte, e morte de cruz.

Por isso, Deus O exaltou

e Lhe deu o nome que está acima de todos os nomes.

para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem.

no céu, na terra e nos abismos,

e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor

para glória de Deus Pai".


(Filipenses 2, 6-11)

domingo, 15 de agosto de 2010

MARIA, MINHA MÃE



Maria, minha Mãe, Mãe de Jesus,
nossa Mãe,
para me sentir unido a Jesus,
e a todos os homens, meus irmãos,
quero chamar-te Nossa Mãe.
Vem viver em mim, com Jesus
teu muito amado Filho,
esta mensagem de renovação total,
no silêncio e na vigília,
na oração e na oferta,
na comunhão com a Igreja e com a Trindade,
no fervor do teu Magnificat
unido a José, teu santíssimo Esposo,
no teu humilde e amoroso trabalho,
para que se cumprisse
o testamento de Jesus
no teu amor por Jesus e José,
pela Igreja e pela humanidade,
na tua fé inabalável
no meio de tantas provas
suportas pelo Reino,
na tua esperança,
que opera sem parar
para construir um mundo novo
de justiça e de paz,
de felicidade e de ternura verdadeira,
na perfeição das tuas virtudes,
no Espírito Santo,
para me tornar testemunhada Boa Nova,
apóstolo do Evangelho.


Em mim, ó Mãe, continua a operar,
a rezar, amar a sacrificar-me;
continua a realizar a vontade do Pai,
continua a ser a Mãe da humanidade.
Continua a viver a paixão
e a ressurreição de Jesus.
Ó Mãe, consagro-me a Ti, todo a Ti,
agra e para sempre.
Vivendo no teu espírito e no de José,
eu viverei no espírito de Jesus,
com Jesus, José, os anjos e os santos
e todas as almas.

Amo-te, Mãe nossa
e participarei na tua fadiga,
na tua preocupação
e no teu combate
pelo reino do Senhor Jesus.
Amen.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Spirito Santo

Se me amas...



"Se conhecesses o mistério imenso
do céu onde agora vivo,
este horizonte sem fim,
esta luz que tudo reveste e penetra,
não chorarias,se me ama!
Estou tão absorvido no encontro de Deus,
na sua infindável beleza.
Permanece em mim o seu amor,
uma enorme ternura,
que nem tu consegues imaginar.
Vivo numa alegria puríssima.
Nas angústias do tempo,
pensa nesta casa onde, um dia,
estaremos reunidos para além da morte,
matando a sede na fonte inesgotável
da alegria e do amor infinito
Não chores,
se verdadeiramente me amas!"

Santo Agostinho

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Aos Olhos do Pai - Diante do Trono

Quem tudo acredita

Deus é Amor!

A Obra de Deus



 

Deixar-te-ei agir, Senhor.
Que a minha vida se enriqueça
Ouvindo a tua Palavra,
Tu, ó Cristo.
Não há nada que tu não possas fazer.
Tornaste fecundos Abrãao e Sara,
Zacarias e Isabel.
Silêncio!
Quando ages, devo calar-me.
E escutar...
Quanto está presente,
o homem deve calar-se,
abandonar as suas precupações,
vencer todas as hesitações.
O sinal de que Deus está em a acção,
de que começa a agir,
e o silêncio a que reduz
os homens deste mundo.
Assim, Zaracarias tornou-se mudo.
Para agires em mim, Senhor,
exiges qe eu fique silencioso,
como Maria e José.

Deixar-te-ei falar, Senhor,
demoradamente, do modo e no momento que desejares.
Porque, Senhor Jesus,
Tu és o Verbo,
Tu falarás quando a Tua hora chegar

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Sempre a Caminho

Tu és a água viva

A Comunhão: Um combate de cada instante



O amor conduz à comunhão.
Na comunhão, cada um avança
ao ritmo dos seus irmãos.
Ela não é somente felicidade
que se goze passivamente;
alimenta o espírito fraterno ;
a todos abre a porta da fraternidade.
O amor propaga-se naturalmente.
É contagioso,comunica-se aos outros
e arrasta cada homem à comunhão.
Devo esculpir em mim esta máxima:
"A comunhãoé um combate de cada instante".
A negligência de um só momento
pode despedaça-la;
basta um nada;
um só pensamento sem caridade,
um preconceito obstinadamente conservado,
uma afeição sentimental,
uma orientação errada,
uma ambição ou um interesse pessoal,
uma acção realizada por si mesmo
e não pelo Senhor,
a vontade de retomar
o que já se abandonou,
o desejo da minha própria satisfação
que se sobrepõe ao desejode agradar ao Senhor.
Ajuda-me, Senhor, a examinar-me assim:
Qual é o centro da minha vida?
Tu e eu?
Se és Tu, agrupar-nos-às na unidade.
Mas se vejo que à minha volta,
lentamente, todos se afastam
e se dispersam,
este é o sinal
de que me coloquei a mim próprio no centro.