sábado, 25 de dezembro de 2010

À DESCOBERTA DE UM SENTIDO!...

Ver Deus, face a face!
"Ana era uma mulher sábia, meditativa, que respeitava Deus com grande reverência. A sua felicidade consistia em ver Deus face a face; e ficou radiante quando, uma vez, meditando sobre a Palavra de Deus, sentiu Deus tomar a iniciativa e sugerir-lhe:
            - Ana, queres olhar para mim e ver-me?
            - Senhor, tem sido esse o sonho de toda a minha vida - respondeu ela quase sem acreditar que o que estava a acontecer era verdade.
            - Pois, vem, sobe ao Monte Sinai e ver-me-ás, longe de tudo e de todos.
Depois de terminar a sua oração, Ana saiu do espaço sagrado e começou a pensar se, de facto, o diálogo com Deus teria sido verdade ou não teria passado de um sonho.
No entanto, foi pensando o que deveria oferecer a Deus aquando do seu encontro.
"Qual será a oferta agradável aos olhos de Deus? Um colar de pérolas? Um cordão em ouro? Um carro do futuro? Não. Já sei. Primeiro vou ter de me vestir bem. Antes de mais, vou comprar os sapatos de marca mais cara, o chapéu mais bonito e uma blusa e uma saia de marca."
Ana ainda andou uns tempos até descobrir a melhor roupa de marca. A seguir, decidiu procurar as coisas mais inéditas para oferecer a Deus. Assim, foi visitar selvas e bosques, descobrindo algumas plantas especiais que guardou para oferecer a Deus. Na selva, encontrou também alguns animais para oferecer a Deus. Procurou ainda produtos feitos pelo homem para oferecer a Deus::: cadeiras voadoras, casas portáteis e armas com balas de paz. Quando resolveu finalmente subir o Sinai, Ana teve que arranjar três enormes camiões TIR para levar todas as suas ofertas a Deus.
Ao chegar ao cimo da montanha, com toda a sua carga, Ana chamou por Deus:
            - Deus, cheguei. Estou aqui. Onde estás, ó Deus?
            Mas o enorme barulho produzido pelos motores dos camiões abafava a sua voz e ela teve de repetir o chamamento muitas vezes, até que gritava mais do que falava.
            Já quase a perder a paciência, finalmente ouviu a voz de Deus:
            - Que barulho é esse?
            - Não é barulho. São os camiões que trouxe carregados de ofertas para ti.
            - O quê? Coisas do mundo? Não te ouço, nem te vejo. Manda parar esse barulho infernal.
            Ana mandou desligar os motores dos camiões.
            - Já está. Agora quero ver-te, Senhor.
            - Vejo enormes camiões entre ti e mim. Se os camiões não forem embora, não consigo ver-te.
            - Mas são ofertas para ti!
            - Essas ofertas estão a impedir que Eu te veja e que tu me vejas a mim.
Meia desapontada, Ana enviou os camiões para as terras da Palestina, para poder ver o Senhor.
De repente, vê uma sarça a arder e ouve uma voz que diz:
- Não te aproximes. Tira primeiro os sapatos porque esta terra é sagrada. Depois, tira o chapéu para Eu ver a tua face (Ex. 3, 1-10).
- O quê? Senhor, comprei os melhores sapatos e o chapéu mais bonito para te ver.
Ana nem queria acreditar. Tinha tido um trabalho imenso para encontrar prendas para Deus. E Ele mandou os camiões descerem o monte. Tinha tido tanto trabalho para comprar os sapatos e o chapéu: os sapatos mais caros e o chapéu mais bonito que tinha encontrado!
- Ana, não quero o que tu tens. Eu quero o que tu és. Não quero ver o que tu tens. Quero ver o que tu és. Muitos homens vivem dependentes do que têm e não do que são. Não quero o ser humano afogado em produtos, sufocado com montanhas de material supérfluo que não deixam respirar o ar humano da vida. Quero ver a tua face. Quero ver o teu coração. Quero ver a tua alma.
De repente, uns raios apareceram por entre as nuvens e iluminaram a face de Ana, e ela viu Deus. Foi um encontro face a face. Ana sentiu uma felicidade transcendente, espiritual, superior, divina e infinita.
De seguida, ouviu a voz de Deus:
- Ana, agora que me viste, agora que alcançaste a máxima felicidade, vai, anuncia o bem ao povo de Israel, ao povo da Palestina, aos povos de todo o mundo. Porque Eu não quero guerra, Eu não quero escravidão. Eu quero paz, amor, felicidade. Eu sou o Deus da Paz. Eu sou o Deus do Amor.
Ana desceu a montanha e anunciou a serenidade, a reconciliação, a libertação entre todos os povos. À medida que os povos iam conhecendo Deus, entendiam-se, viviam em paz e faziam tudo o que podiam para outros povos poderem também viver na paz de Deus"

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Oração Missionária de Maria

Que Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe,
Senhora da Anunciação e da Saudação, vele por nós,
Nos molde no seu jeito maternal e evangelizador,
E abençoe os nossos trabalhos e propósitos.

Senhora da Anunciação,
Que corres ligeira sobre os montes,
Vela por nós, fica à nossa beira.
É bom ter a esperança como companheira.
Contigo rezamos ao Senhor:
Dá-nos, Senhor, um coração sensível e fraterno,
Capaz de escutar e de recomeçar.
Mantém-nos reunidos, Senhor,
À volta do Pão e da Palavra.
Ajuda-nos a discernir
Os rumos a seguir,
Nos caminhos sinuosos deste tempo,
Por Ti semeado e por Ti redimido.
Ensina-nos a tornar a tua Igreja toda missionária,
E a fazer de cada paróquia, que é a Igreja
A residir no meio das casas dos teus filhos e filhas,
Numa Casa grande, aberta e feliz,
Átrio de fraternidade,
De onde se possa sempre ver o Céu,
E o céu nos possa sempre ver a nós.

(da carta Pastora dos Bispos Portugueses, 2010)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

8 de Dezembro dia da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria



“Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo.”



O “Sim” de Maria é um verdadeiro exemplo de atitude que todo ser humano deve ter diante de Deus.

Solenidade da Imaculada Conceição da Bem-aventurada Virgem Maria. Este dogma, solenemente promulgado em 1854, proclama que a Mãe de Deus, “no primeiro instante de sua concepção, por um privilégio especial, e tendo em vista os méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, foi preservada de toda mácula do pecado original”.



Neste dia comemoramos solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Rainha de todos os Santos. Esta verdade reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos Padres e Doutores da Igreja oriental ao exaltar a grandeza de Maria, Mãe de Deus, tinham usado de expressões como: cheia de graças, lírio da inocência, mais pura que os anjos. A Igreja ocidental que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Foi o franciscano Duns Scoto no séc. XIII, quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois era Maria destinada a ser mãe do seu Filho. Isso era possível para a Omnipotência de Deus, portanto, Deus, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo. Graças a Deus, rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria no seio de sua mãe Sant'Ana foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina de Labouré, pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: "Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós". Nesta aparição ficou conhecida como Nossa Senhora das Graças (Medalha Milagrosa), cuja festa é comemorada em 27 de novembro. E quatro anos depois que a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma em 1854: "Maria isenta do pecado original". A própria Virgem na sua aparição em Lourdes, confirmou a definição dogmática e fé do povo dizendo para Santa Bernadete e para todos nós: "Eu Sou a Imaculada Conceição".

Virgem Imaculada...rogai por nós!


                                                                Imaculada Conceição


de Nossa Senhora

Irrompa nova alegria,
ressoem cantos de amor:
da velha Ana no seio
palpita a Mãe do Senhor.

Maria, glória do mundo,
de graça é plena e de luz:
por culpa alguma atingida
serás a Mãe de Jesus.

Nascemos todos
manchados pela culpa original:
somente tu e teu Filho
sois livres de todo mal.

Davi, num só arremesso,
derruba o gigante ao chão:
teu “Sim” atinge na fronte
a causa da perdição.

Ó pomba suave e humilde,
brilhante mais do que o sol:
da paz nos trazes o ramo,
voando em pleno arrebol.

Louvor e honra ao Deus trino,
que tanto e tanto te amou,
pois antes já do pecado
da culpa te preservou!








sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O PAI-NOSSO “DE ASSIS”


 
Pai que olhas por igual todos os teus filhos, és nosso Pai, de todos, dos quatro mil milhões de pessoas que povoam a terra, seja qual for a nossa idade, cor ou lugar de nascimento.

Estás nos céus e na terra e em cada homem, nos humildes e nos que sofrem.

Santificado seja o vosso nome nos corações pacíficos de todos,  homens e mulheres, crianças e velhos, daqui e dali.

Venha o teu reino, o da paz, o do amor, o da justiça, o da verdade, o da liberdade.

Faça-se a tua vontade, sempre e em todas as nações e povos.  No céu, na terra.
Que os teus planos de paz não sejam destroçados pelos homens violentos, pelos tiranos.

Dá-nos o pão de cada dia, que está amassado com paz, com justiça, com amor.
E afasta de nós o pão da tirania e do ódio que alimenta rancores e divisão.

 Dá-no-lo hoje, porque amanhã pode ser tarde. Os mísseis estão a apontar e quem sabe algum louco queira disparar.

Perdoa-nos, não como nós podemos perdoar, mas como tu perdoas, sem ressentimentos, sem rancores ocultos.

Não nos deixes cair em tentação de olhar com desconfiança para o que está à nossa frente, de esquecermos os nossos irmãos necessitados, de acumular o que outros necessitam, de viver bem à custa dos demais.

Livra-nos do mal que nos ameaça. Dos egoísmos dos poderosos, da morte que produzem a fome, as guerras e as armas. Porque somos muitos, Pai, os que queremos viver em paz e construir a paz para todos.

 

Proclamado em Assis, no primeiro encontro mundial das Religiões



LOUVADO SEJAS, PAI

Louvado sejas, Pai,
que semeaste a esperança no meu coração,
ainda que eu não descubra pegadas nem caminho
nas rochas sob o mar.
 
Louvado sejas, Pai,
que me enviaste o teu Filho.
Ele caminhou comigo
e leva toda a carga dos meus cansaços .
Ele está ao lado dos meus caminhos de amizade
e acompanha a minha canção de liberdade.
 
Dá-me, Senhor, o teu espírito de luz.
Ensina-me a avançar,
tanto à luz da lua minguante
como ao calor do sol esplendoroso.
 
Ensina-me a olhar em frente
sem confundir o hoje com o amanhã.
Ensina-me a criar cada dia algo novo contigo
e a não cortar as flores murchas no caminho traçado.
Ensina-me a encontrar na parede rugosa
o pequeno apoio que me abra o caminho até cima.
 
Dá-me, Senhor, o teu espírito de fortaleza.
Dá aos meus braços, cansados depois de tanto esforço vão,
a frescura juvenil de novo
para plantar mil árvores jovens para um mundo novo.
 
Que o meu suor se confunda com o teu
e flua o meu sangue com o teu
para irrigar o mundo ressequido pela injustiça e pelo egoísmo.
 
Louvado sejas, Pai,
que me levas até à meta, caminho de Emaús,
onde ao cear no prato comum
brilha prontamente o rosto do Ressuscitado
irradiando paz e alegria.

Esquema de Oração

Adoração

Não adores nunca ninguém mais
Não adores nunca ninguém mais que a Deus.
Não adores nunca ninguém mais que a Deus.
Não adores nunca ninguém mais,
Não adores nunca ninguém mais,
Não adores nunca ninguém mais que a Deus.
Não escutes…
Não contemples…
Porque apenas Ele nos pode saciar.
Porque apenas Ele nos pode saciar.
Não adores nunca ninguém mais,
Não escutes nunca ninguém mais,
Não contemples nunca ninguém mais que a Deus

Jesus, no Evangelho de Mateus diz-nos:
“Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele servirás” (Mt 4, 10).

Mas podemos perguntar-nos o que é adorar para cumprir esta palavra de Jesus.
ADORAR É fazer silêncio dentro de nós e ouvir o que Deus tem para nos dizer.
ADORAR É deixar que o nosso coração se encontre com o de Deus.
ADORAR É deixar que a nossa vida se centre no essencial.
O QUE ADORA aprende a fazer-se pão para os outros, como Jesus.
O QUE ADORA “expõe-se” e dá a cara como Jesus.
O QUE ADORA é simples e humilde como o pão.
O QUE ADORA escolhe, como Maria de Betânia, a melhor parte.
O QUE ADORA faz-se misericordioso.
O QUE ADORA ama com todo o coração e com toda a mente.
O QUE ADORA serve.

- SILÊNCIO

ORAÇÃO:
Senhor, adoramos a tua presença na Eucaristia, faz que amemos o que Tu amas.
    
Senhor, adoramos a tua presença na Eucaristia, faz que amemos os irmãos mais necessitados.
    
Senhor, adoramos a tua presença na Eucaristia, faz que amemos e defendamos a vida.
    
Senhor, adoramos a tua presença na Eucaristia, faz que amemos a tua vontade sobre nós.
    
Senhor, adoramos a tua presença na Eucaristia, faz que contemplemos o vosso rosto

LEITURA

S. Paulo na Carta aos Gálatas 5,13 diz-nos: “Que o amor vos leve ao serviço dos outros”.

Na medida em que nos fazemos contemplativos da acção de Deus em cada pessoa e em cada acontecimento, descobriremos Deus como servidor da vida e liberdade. Daí nascerá a nossa adoração perante o Seu amor desconcertante e a nossa colaboração serviçal.
A adoração e o serviço não são mais do que diferentes momentos dessa mesma entrega. O Deus que é adorado não é somente O contemplado como fascinante na sabedoria da criação, mas também aquele que mostrou ser servidor aceite e rejeitado na História.
O Deus que servimos é o que reconhecemos como o Rei do Universo em Jesus glorioso, situado no horizonte da História onde todo o projecto conflui, mas também em Jesus massacrado pelo capricho e o medo de um governador do Império.
A adoração despoja o serviço de toda a pretensão egoísta. O serviço purifica a adoração de toda a evasão da História. Na adoração afundamo-nos num oceano de silêncio sem margens. No serviço damos a vida até na mais pequena necessidade de um irmão. Todo o ser se sente unificado a esse “só ao Senhor teu Deus adorarás e servirás”.
Mas a experiência de adoração só é possível e verdadeira quando se faz ao mesmo tempo a entrega no serviço. Deus, na História, é o servidor que varre o lixo da casa procurando a moeda perdida (Lc 15, 8-10), que leva a ovelha extraviada até ao resto do rebanho (Lc. 15,5) ou, de avental, põe a mesa aos seus criados enquanto chega cansado a meio da noite.

- SILÊNCIO -

SALMO:
Contigo, Senhor Jesus, é-se grande no coração e no amor
quando se está disponível para servir.
Ser servidor é difícil.
É por isso que venho até Ti
para aprender a servir o perdão em vez da vingança
o sorriso em vez da cólera,
a amizade em vez da maldade,
a alegria em vez do mau-humor.
Ser servidor é difícil.
É por isso que Te contemplo, Senhor Jesus,
que deste tudo a fim de servir a felicidade ao mundo inteiro.
Contigo, Senhor Jesus, é sempre o contrário!
O maior não é aquele que manda,
o maior não é aquele que conhece todas as respostas,
o maior não é aquele que recebe cumprimentos de todos,
o maior não é aquele que possui ouro e prata,
o maior não é aquele que é mais forte,
o que grita e mete medo.
Contigo, Senhor Jesus,
o maior é aquele que serve.


CÂNTICO

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ser Pessoa




“Crescer como pessoa significa
Aceitar que  a vida é feita de êxitos e de fracassos
É encará-la com resiliência.
Crescer como pessoa significa
Reconhecer que uma vida “cor-de-rosa” não é vida
Porque não é real!
Não corresponde ao mundo
Que os seres humanos tocam e pisam.
Significa consciencializar
Que a vida está em constante evolução.
Crescer numa perspectiva humana tem como princípios:
Que cada um deve aceitar-se como é
Deve comunicar com os outros com sinceridade
Deve sair de si próprio e preocupar-se com os outros
Deve crer nalguma coisa ou em alguém: ser assertivo!
Cada um deve aceitar ser o que é e ter as qualidades que tem
Porque é esta aceitação, feita de sinceridade e coragem,
Que constitui o fundamento de toda a vida.
Só aceitamos os outros quando:
Reconhecemos as suas próprias qualidades
Tomamos consciência do seu valor
Afirmamos a sua dignidade como pessoas
E consideramos que possui um “eu”
Do qual não tem de se esconder nem envergonhar…”

Ana Paula Bastos

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Pai-Nosso

Pai-Nosso que estás nos céus,
Tu que és muito maior  que este mundo
que estás em tudo o que é “céu”, que é alegria e vida verdadeira
Tu que és grande porque és Pai de todos
e todos somos Teus filhos
e que estás nesta Terra no coração dos homens de boa-vontade



Santificado seja o Teu nome,
que falem bem de ti, que te bem-digam
que Tu sejas conhecido como o Pai Bom que és
como aquele que recebe sempre os filhos 
mesmo quando tropeçam e se esquecem de ti
tu que queres que sejamos como Tu
um irmão para o irmão
um coração cheio de ternura, perdão e esperança para todos



Venha a nós o Teu Reino,
que não fechemos o nosso coração 
a todos os sentimentos de amor e de justiça comprometida,
que Jesus seja o “modelo” que nos atrai
e nos aproxima do sujo, feio, maltrapilho e fraco,
mesmo que nos custe,
e que nos ensina a encontrar a paz e a felicidade
porque acreditamos que só o Teu Reino, 
em que o outro passa à minha frente,
pode tornar este mundo uma casa para todos



Seja feita a Tua vontade assim na Terra 
como no céu

porque sabemos que esta Terra também é Tua 
queremos que se viva aqui como no céu
queremos que o Teu projecto seja realidade para todos
queremos que tu guies a nossa vida
e queremos ir onde nos levas e não onde iríamos por capricho

.
Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia,
dá-nos o que precisamos e não mais do que isso
dá-nos a coragem de dar aos irmãos o que necessitam,
o nosso tempo, saber, atenção e palavras de esperança.

Dá-nos fome de espírito de justiça
fome de atenção para descobrir
a bondade do irmão e deste mundo.

Perdoa-nos as nossas ofensas
como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,
tu sabes como somos, onde tropeçamos, 
quando pensamos antes em nós do que nos outros;
transforma o nosso coração distraído
e faz-nos pessoas que, antes de condenar tentam salvar
e acreditar na boa intenção do próximo



Não nos deixes cair em tentação,
não nos deixes andar atrás do que nos dá prazer e mais nada …
o consumo, a ciência sem coração, o poder do dinheiro
a instalação do mais fácil, a meia - mentira que engana
a falta de compromisso porque não vamos mudar nada…

Mas livra-nos do mal.  
livra-nos do mal, da cegueira de passar ao lado e não querer ver
da surdez de ouvir e não dar atenção
da dureza de não dar o braço a torcer quando pedem perdão
do orgulho que só olha para dentro de mim e esquece quem está fora
de alimentar sentimentos de rancor e divisão … que apodrecem, destroem

sábado, 9 de outubro de 2010

Hino à vida

Pai dos pobres




Onde houver vazio,
                O Espírito é plenitude.
Onde houver miséria,
                O Espírito é riqueza.

Onde houver sofrimento,
                O Espírito é consolação
Onde houver tristeza,
                O Espírito é alegria

Onde houver debilidade,
                O Espírito é força.
Onde houver orfandade,
                O Espírito é mãe.

Onde houver ignorância,
                O Espírito é sabedoria.
Onde houver exclusão,
                O Espírito é acolhimento.

Onde houver opressão,
                O Espírito é liberdade.
Onde houver exploração,
                O Espírito é partilha.
Onde houver solidão,
                O Espírito é companhia.
Onde houver esquecimento,
                O Espírito é memória

Onde houver desamor,
                O Espírito é carinho.
Onde houver morte,
                O Espírito é vida.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

vocação

Hermana Glenda - hazme volver (salmo 125)

Poema de Santa Teresinha


Quereria percorrer a terra
E pregar o Teu nome, Jesus,
Ser Apóstolo em solo infiel
E plantar gloriosa a Tua cruz.

Só o Amor faz agir a Igreja,
Mas se o Amor se viesse a extinguir
Os Apóstolos não anunciariam
Nem os mártires a vida dariam.

Compreendi que o Amor encerra,
Em si mesmo, todas as vocações.
Compreendi que o Amor é tudo,
Que abarca os tempos e os lugares.

Encontrei finalmente o meu lugar
Fostes Vós, ó meu Deus, que mo destes:
No coração da Igreja, minha mãe,
Eu serei o Amor!

E assim serei tudo!

CD “Viver de Amor”, Edições Carmelo