domingo, 1 de abril de 2012

Via Sacra

I. Estação – Jesus é condenado à morte 
Mt. 27, 22-26 Pilatos disse-lhes: «Que hei-de fazer, então, de Jesus chamado Cristo?» Todos responderam: «Seja crucificado!» Pilatos insistiu: «Que mal fez Ele?» Mas eles cada vez gritavam mais: «Seja crucificado!» 
Pilatos, vendo que nada conseguia e que o tumulto aumentava cada vez mais, mandou vir água e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo: «Estou inocente deste sangue. Isso é convosco.» E todo o povo respondeu: «Que o seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos!» 

Oração: Senhor ao fazer-Te Deus – connosco Tu elevas a dignidade humana. E nós escutamos: “Seja crucificado!” Não é a Ti, Elerno Vivente, mas a si próprio que o homem condena à morte quando não se importa que a injustiça prevaleça… É pelo homem que o Homem sofre. 

Cântico – Via de Amor

II. Estação – Jesus leva a cruz aos ombros 
Mt. 27, 27-31 Coroação de espinhos (Mc 15,16-20; Jo 19,1-3) - Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e reuniram toda a corte à volta dele. Despiram-no e envolveram-no com um manto escarlate. Tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e uma cana na mão direita. Dobrando o joelho diante dele, escarneciam-no, dizendo: «Salve! Rei dos Judeus!» E, cuspindo-lhe no rosto, agarravam na cana e batiam-lhe na cabeça. Depois de o terem escarnecido, tiraram-lhe o manto, vestiram-lhe as suas roupas e levaram-no para ser crucificado. 

Oração: Ó Bom Pastor que hoje e sempre carregas toda a humanidade como carregaste alegremente a ovelha perdida.

Cântico: O Senhor é meu Pastor

III. Jesus é ajudado por Simão de Cirene
Mt. 27, 32 32À saída, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, e obrigaram-no a levar a cruz de Jesus.

Oração: Senhor Jesus, Tu não fechas os olhos à realidade da cruz e do sofrimento, mas nos dizes que só carregando com amor a nossa e a cruz do outro é possível enfrentar, aliviando, as múltiplas provações da vida.

IV. Verónica enxuga a face de Jesus
Sl 27, 8-9 O meu coração murmura por ti,
os meus olhos te procuram;
é a tua face que eu procuro, SENHOR.
Não desvies de mim o teu rosto,
nem afastes, com ira, o teu servo.
Tu és o meu amparo: não me rejeites nem abandones,
ó Deus, meu salvador!

Oração: Ó Senhor, ajuda-nos a não pensarmos só em nós mesmos, e não estragarmos a alegria dos outros, com os nossos relatos de sofrimentos e traições. Torna-nos capazes de valorizar todos os pequenos gestos de amor que cheguem até nós como uma caricia tua, como um alento que nos dá força. 

Cântico – Via de Amor

V. Jesus encontra as mulheres de Jerusalém
Lc. 23, 27-31 Seguiam Jesus uma grande multidão de povo e umas mulheres que batiam no peito e se antes por vós mesmas e pelos vossos filhos; pois virão dias em que se dirá: ‘Felizes as estéreis, os ventres que não geraram e os peitos que não amamentaram.’ Hão-de, então, dizer aos montes: ‘Caí sobre nós!’ E às colinas: ‘Cobri-nos!’ Porque, se tratam assim a árvore verde, o que não acontecerá à seca?» 

Oração: Ó Jesus, olha a multidão destas mulheres sobre a terra… Choram sim… Mulheres que no Teu e no seio da Tua Mãe derramam o rio das suas lágrimas para que cada dor tenha a sua compaixão, a graça do amor redime. 

Cântico – Via de Amor

VI. Jesus despojado das suas vestes
Mt 27, 33-37 Quando chegaram a um lugar chamado Gólgota, isto é, «Lugar do Crânio», deram-lhe a beber vinho misturado com fel; mas Ele, provando-o, não quis beber. Depois de o terem crucificado,repartiram entre si as suas vestes, tirando-as à sorte. Ficaram ali sentados a guardá-lo. Por cima da sua cabeça, colocaram um escrito, indicando a causa da sua condenação: «Este é Jesus, o rei dos Judeus.» 

Oração: Ó Senhor entraste no mundo despojando-te da tua glória de Filho de Deus, para nasceres Filho do Homem e o elevares a filho de Deus.

Cântico: O Senhor é meu Pastor

VII. Jesus é sepultado
Mt. 27, 59-61 José tomou o corpo, envolveu-o num lençol limpo e depositou-o num túmulo novo, que tinha mandado talhar na rocha. Depois, rolou uma grande pedra contra a porta do túmulo e retirou-se. Maria de Magdala e a outra Maria estavam ali sentadas, em frente do sepulcro. 

Oração: Sobre o monte do Calvário impõe-se um profundo silêncio ponto. A dor já não tem lágrimas, nem palavras. Agora o Servo Sofredor, dorme, vigiado pelos guardas, mas não está sepultado com Ele a destemida esperança. Sim, porque depois do Seu profundo tormento ele verá a Luz. 

Cântico: O Senhor é meu Pastor

VIII. Ressurreição de Jesus 

Oração: Espontânea

Cântico: Tu és fonte de Vida

Sem comentários: